Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Mário Moura e Arô Ribeiro estão na peça A Memória dos Meninos - Foto: Fernanda Procópio/Divulgação

Mário Moura e Arô Ribeiro estão na peça A Memória dos Meninos – Foto: Fernanda Procópio/Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Olha o menino, ui!
Os atores Mário Moura e Arô Ribeiro dão vida aos irmãos Miguel e Rafael na peça A Memória dos Meninos, que estreia neste sábado (5), no Teatro Commune, em São Paulo. O texto é do carioca Lucianno Maza, que vive entre Rio e São Paulo.

Coisas da vida
No enredo da peça, os irmãos se encontram no velório do pai. Na situação tensa, precisam acertar as contas com o passado. Coisas de família.

Tropicália
A trilha de A Memória dos Meninos tem “acordes dissonantes”, intercalando melodias harmoniosas com sons abruptos. Luiz Eduardo Frin assina a direção.

Uma vez por semana
A Memória dos Meninos fica em cartaz até 30 de abril, sempre sábado, às 17h, com entrada a R$ 40 a inteira e R$ 20 a meia. Ah, o endereço é rua da Consolação, 1.218, ali pertinho do Mackenzie. Estão todos convidadíssimos, avisa Arô Ribeiro, que além de ator também é fotógrafo dos bons e querido da coluna.

1964 nunca mais
A coluna é de teatro, mas não pode deixar de demonstrar estar abismada com o fato de a Polícia Federal invadir a casa do ex-presidente Lula nesta sexta (4) e obrigá-lo a ir depor sem antes ter havido uma intimação, como manda a Lei. Estamos em tempos de ditadura e ninguém avisou? Isso aqui ainda é uma democracia. E as regras legais precisam ser observadas e cumpridas.

Chico César faz show para arrecadar fundos para o Teat(r)o Oficina - Foto: Luiz Garrido/Divulgação

Chico César faz show para arrecadar fundos para o Teat(r)o Oficina – Foto: Luiz Garrido/Divulgação

De Chico para Zé
O cantor e compositor Chico César faz show Ofício Cio Sina neste sábado (5), às 21h, no Teat(r)o Oficina, em São Paulo. Antes, a partir das 20h, o DJ Jean Carlos anima os presentes por uma hora. Pra começar a sacudir o esqueleto.

Oferenda
Chico diz que faz uma “performance-oferenda” com hits de sua carreira para Zé Celso e sua trupe, para a qual a renda será destinada. O ingresso custa R$ 50 a inteira, R$ 25 a meia e R$ 10 para os moradores do Bixiga. Vai, gente.

Performáticos
Os artistas avisam que a noite contará ainda com a participação especial dos atuadores do Teat(r)o Oficina, que ficarão responsáveis também pelo bar Strume Und Mangue, sempre uma performance à parte e com uma caipirinha deliciosa. A coluna já provou e atesta a qualidade.

Phedra D. Córdoba: "Rodolfo, o diretor, me disse que minha personagem é muito forte" - Foto: Bob Sousa

Phedra D. Córdoba: diva cubana dos palcos precisa de ajudas para custear tratamento médico – Foto: Bob Sousa

Amor por Phedra
Phedra D. Córdoba, a diva cubana, está internada no Hospital Heliópolis, em São Paulo, para recuperar o peso perdido até poder voltar para seu apartamento na praça Roosevelt. Um grupo de amigos íntimos, entre os quais estão Ivam Cabral, Gero Camilo, Maria Casadevall, Julia Bobrow, Gustavo Ferreira, Divina Núbia, Tadeu Ibarra e este vosso colunista se intercala para fazer companhia à atriz no centro médico. É que Phedra não gosta de ficar sozinha.

Show para Phedra
Paula Cohen, Gero Camilo e Maria Casadevall organizam um grande show no qual amigos de Phedra subirão ao palco para cantar, declamar ou performar. A verba arrecadada na bilheteria será destinada ao seu tratamento. Como Phedra não tem plano de saúde, os amigos estão fazendo vaquinha online por ela. Doe também.

Bilheteria para a diva
Todas as peças do grupo Os Satyros deste sábado (5) terão sua bilheteria revertida para o tratamento de Phedra. Aproveite para ver as peças da trupe e ajudar nossa diva. A peça Sagrada Família, na SP Escola de Teatro, também terá sessão beneficente para Phedra neste sábado (5).

Cuidados especiais
Assim que voltar para seu apartamento, Phedra, que enfrenta grave doença, precisará de home care, com cuidados médicos 24 horas por dia. E isso é caríssimo. Fora os medicamentos, dieta balanceada, enfermeira… Por isso é importante a ajuda de todos.

Gatinhos
A atriz Julia Bobrow cuida dos gatos de Phedra, Primo Bianco e Rebeca, aquela que engoliu o botão.

Guilherme Marques: vai ter MITsp em 2017, ele garante - Foto: Sergio Castro/Divulgação

Guilherme Marques, no Auditório Ibirapuera, nesta quinta (3): vai ter MITsp em 2017, ele garante – Foto: Sergio Castro/Divulgação

Rumo a 2017
Guilherme Marques, diretor executivo da MITsp, anunciou que o festival terá edição em 2017, depois de circularem boatos de que o evento viraria bienal. Andar com fé é bom. Leia reportagem especial para o UOL!

Chove chuva
Depois de uma correria desatada de gente do teatro querendo ingressos para a abertura da MITsp no Auditório Ibirapuera com a peça Cinderela, do francês Joël Pommerat, o que mais havia eram lugares vazios na plateia. O motivo? A tempestade que caiu implacável sobre São Paulo momentos antes fez com que muita gente não conseguisse chegar a tempo e também com que outros desistissem. Vai ver estes últimos são de açúcar.

Marcando presença
Entre os que enfrentaram o dilúvio bíblico para prestigiar a MITsp estão as atrizes Bete Coelho e Ondina Clais Castilho, os atores Eric Lenate e Leonardo Ventura, o produtor Ricardo Grasson, o diretor da Cooperativa Paulista de Teatro, Rudifran Pompeu, os assessores teatrais Adriana Balsanelli e Frederico Paula, o performer Alexandre D’Angeli e o diretor do FilteBahia, Luís Alonso.

Corre-corre
Pouco antes de o espetáculo Cinderela começar houve um momento de tensão nos bastidores, por conta de problemas técnicos que foram rapidamente resolvidos. A plateia, educada, esperou pacientemente. Uma graça.

Registro
O crítico Kil Abreu deixou o coletivo de Olhares Críticos da 3ª MITsp por decisão própria. Afirmou que prefere manter seu olhar independente sobre o evento. Ele gosta de liberdade. E está certíssimo.

Protesto
Roberta Estrela D’Alva, mestre de cerimônia da noite, aproveitou o espaço para protestar em nome de seu grupo, Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, que precisou deixar sua antiga sede diante da especulação imobiliária. Danada.

Sem papas na língua
“Sou o dono do puteiro”, definiu o produtor Ricardo Grasson. É que é dele (e de Caco Ciocler) o Centro Compartilhado de Criação, na Barra Funda, onde acontece o Cabaré MITsp, o ponto de encontro do público e dos artistas que participam do festival internacional. Olha só, na foto abaixo, o clima do lugar na primeira noite de festinha.

Cabaré MITsp acontece diariamente até o dia 13 de março no Centro Compartilhado de Criação, a partir das 22h, na Barra Funda - Foto: Frederico Paula/Divulgação

Cabaré MITsp acontece diariamente até o dia 13 de março no Centro Compartilhado de Criação, a partir das 22h, na Barra Funda – Foto: Frederico Paula/Divulgação

Cadê o espumante?
Muitos convidados da abertura da MITsp não esconderam seu desapontamento com o fato de este ano não ter acontecido um coquetel após a peça. Os tempos são de crise.

Parabéns pra você
Marcelo Mattos Araújo, secretário de Estado de Cultura de São Paulo, lembrou em seu discurso que a abertura da MITsp ocorria no mesmo dia do aniversário de seu diretor artístico, Antônio Araújo. Tó, como é chamado intimamente pela classe artística, estava sentado na última fila e ficou vermelho. Ele é tímido.

Mais discursos
O ator Leonardo Lessa, diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte, representou o ministro da Cultura Juca Ferreira na abertura da MITsp. Disse que os artistas precisam se unir neste cenário de crise. Nabil Bonduki, secretário municipal de Cultura de São Paulo, lembrou que neste ano o evento ocupa pela primeira vez o Theatro Municipal. Coisa fina. Veja fotos de quem foi à abertura da MITsp.

João Caldas, Bob Sousa e Bruno Poletti, na exposição Retratos do Teatro, de Bob Sousa, no Espaço Cult - Foto: Roberto Ikeda/Divulgação

João Caldas, Bob Sousa e Bruno Poletti, na exposição Retratos do Teatro, de Bob Sousa, no Espaço Cult – Foto: Roberto Ikeda/Divulgação

Trio parada dura
A abertura da exposição Retratos do Teatro, de Bob Sousa, na última quarta (2), reuniu três grandes fotógrafos: além do anfitrião, marcaram presença João Caldas, um dos principais fotógrafos do teatro brasileiro, e Bruno Poletti, fotojornalista da coluna de Mônica Bergamo, na Folha. Rapazes do bem.

Olhares
Leopoldo Pacheco, Dagoberto Feliz e Mário Bortolotto foram alguns dos muitos que prestigiaram a vernissage de Bob Sousa. Entre os fotografados que aparecem na exposição estão Georgette Fadel, Débora Falabella, Erivaldo Oliveira, Maria Alice Vergueiro e Phedra D. Córdoba, é claro.

A beleza de Daniela Sousa chamou a atenção de todos na abertura da exposição Retratos do Teatro - Foto: Roberto Ikeda/Divulgação

A beleza de Daniela Sousa chamou a atenção de todos na abertura da exposição Retratos do Teatro – Foto: Roberto Ikeda/Divulgação

Mais bela
A mulher mais bonita da noite era, sem dúvida alguma, Daniela Sousa, mulher de Bob. Lindíssima.

Mestre
Alexandre Mate, professor doutor da Unesp que orientou Bob Sousa no mestrado, também prestigiou a vernissage e compartilhou com todos seu papo sempre inteligente.

Rainha
Bibi Ferreira sobe ao palco do Tom Brasil nesta sexta (4) para fazer seu aclamado show 4XBIBI. Leia a Entrevista de Quinta que ela deu ao site.

Ensaios
A atriz Cléo De Páris já ensaia Justine, peça que marca sua volta ao palco com Os Satyros. Ainda bem.

Brechtianos
A sétima encenação da mundana companhia chega ao Sesc Pompeia em 19 de março para temporada de nove semanas até 15 de maio. As apresentações de Na Selva das Cidades – Em Obras marcam o terceiro movimento da companhia em compartilhar com o público seu mais recente trabalho, fruto do processo de 13 meses de investigação em torno dos temas propostos no texto Na Selva das Cidades, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Eles são cultos.

Clássica peça de Nelson Rodrigues, O Beijo no Asfalto está de volta ao Parlapatões - Foto: Rodrigo Dionísio/Divulgação

Clássica peça de Nelson Rodrigues, O Beijo no Asfalto está de volta ao Parlapatões – Foto: Rodrigo Dionísio/Divulgação

De novo
A peça O Beijo no Asfalto, do Grupo de Segunda da Cia. das Artes, está de volta ao Espaço dos Parlapatões para mais uma temporada. As sessões são sempre às quintas, 21h, até 21 de abril. Jair Aguiar dirige o elenco que tem os artistas convidados Antonio Netto, Diego Rodda, Fernanda Gonçalves, Cristian Mazzetti, Leão Lobo e Niveo Diegues, além dos atores do Grupo de Segunda Edivaldo Gomes, Marcio Vasconcelos, Natália Martins e Samira Aguiar.

Agora, vai
O musical Cinderella, que trocou duas vezes de diretor e agora está sob batuta de Charles Möeller e Claudio Botelho, recebe a imprensa no Teatro Alfa na próxima segunda (7). A estreia será em 11 de março.

O Musical Mamonas estreia dia 11 de março em SP - Foto: Divulgação

O Musical Mamonas estreia dia 11 de março em SP – Foto: Divulgação

Brasília amarela
Já O Musical Mamonas, espetáculo sobre a vida do grupo Mamonas Assassinas no Teatro Raul Cortez, recebe a imprensa no dia seguinte, na terça (8), para coletiva e sessão especial para os jornalistas. Vai ter Robocop Gay, que o elenco apresentou na última segunda (29) no anúncio da programação da Record em 2016, que terá uma série sobre a banda escrita por Carlos Lombardi. Mandaram bem os meninos.

Lotação esgotada
A sessão de estreia de O Campeão de Dominó do Alasca, peça de Mario Viana com direção de Aimar Labaki, na última terça (1º), estava tão lotada que muita gente precisou voltar para a casa. A dramaturga e roteirista Viviane Roesil estava na plateia da peça, onde comemorou seu aniversário com os amigos mais íntimos.

Peça Pornoáudio faz temporada no Espaço dos Parlapatões - Foto: Divulgação

Peça Pornoáudio faz temporada no Espaço dos Parlapatões – Foto: Divulgação

Telesexo
Com dramaturgia e direção de Teresa Borges, a Cia do Escombro estreia nos palcos com a peça Pornoáudio. A comédia estreia na próxima sexta, 11 de março, às 21h, no Espaço dos Parlapatões. A temporada será toda sexta, 21h, até 29 de abril. Entre os personagens da trama estão uma ex-atendente de telesexo, um homem e um homem-cachorro. Eita.

Mônica Martelli vive Fernanda, uma jornalista louca para arrumar marido em comédia no Teatro Porto Seguro - Foto: Lívio Campos/Divulgação

Mônica Martelli vive Fernanda, uma jornalista louca para arrumar marido em comédia no Teatro Porto Seguro – Foto: Lívio Campos/Divulgação

Tem um homem sobrando?
Mônica Martelli volta para nova temporada em São Paulo da comédia Os Homens São De Marte… E É Pra Lá Que Eu Vou! a partir desta sexta (4), às 21h, no Teatro Porto Seguro. Vista por mais de 2 milhões de pessoas, a peça é baseada em histórias vividas pela atriz, que além de atuar, também é autora da montagem com direção de Victor Garcia Peralta. Já virou filme e série.

Quero casar
Sucesso há 11 anos, conta a história da trintona Fernanda, jornalista que luta para conquistar um marido. Quando termina uma relação, prefere dizer: “Não era pra ser”. E parte pra outra.

Acompanhada dos músicos da banda A Roda, Laila Garin sobe ao palco do Teatro Porto Seguro na próxima terça (8) - Foto: Márcia Moreira/Divulgação

Acompanhada dos músicos da banda A Roda, Laila Garin sobe ao palco do Teatro Porto Seguro na próxima terça (8) – Foto: Márcia Moreira/Divulgação

Canta, Laila
Depois de viver Elis Regina, a atriz baiana Laila Garin está de volta aos palcos paulistanos no Teatro Porto Seguro para apresentação única de seu show Rabisco. Será no Dia Internacional da Mulher, 8 de março, próxima terça, às 21h. Estará acompanhada da banda A Roda – formada por Ricco Viana (guitarra e violão), Rick De La Torre (bateria) e Marcello Müller, com produção em São Paulo de Amalia Tarallo. Laia é uma das melhores cantoras da atualidade.

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *