Opinião: Negro na MITsp – Sobre o privilégio de ceder o puxadinho, por Jé Oliveira

Protesto negro após a apresentação de Revolting Music na MITsp - Foto: Miguel Arcanjo Prado

Protesto negro após a apresentação de Revolting Music na MITsp – Foto: Miguel Arcanjo Prado

Jé Oliveira

Jé Oliveira, do Coletivo Negro

Por JÉ OLIVEIRA
Ator, dramaturgo e diretor, membro fundador do Coletivo Negro e graduando em Ciências Sociais na USP (Universidade de São Paulo)

Algumas pessoas estão me perguntando o que penso sobre a MITsp e sua relação com as questões raciais que a envolvem…

Após tomar conhecimento da matéria feita pelo Miguel Arcanjo Prado, refleti mais um pouco e digo aos que se interessam:

Pois é, diz a reportagem: “Diretor executivo da MITsp, Guilherme Marques estava visivelmente impactado ao fim do protesto. Ao UOL, afirmou que o evento escolheu dar apoio à ação, que foi incorporada à programação do festival, que deu condições técnicas para que ele ocorresse. ‘A curadoria escolheu não calar essas vozes dos atores que fariam o ‘Exhibit B’. E foi incrível. Conseguimos esse diálogo entre o espetáculo do Neo Muyanga e esse protesto. É isso’, afirmou”.

Chega a ser engraçado o quanto de comodidade e privilégio tem nesse raciocínio.

Analisemos a benfeitoria no melhor estilo princesa Isabel: “o evento escolheu dar apoio à ação, que foi incorporada à programação do festival, que deu condições técnicas para que ele ocorresse”.

Grande ação não, do evento?!

Ceder o puxadinho, o corredor do fim de uma apresentação alheia para que artistas negros nacionais se colocassem sobre o racismo institucionalizado que nos mata nas ruas e nos palcos do Brasil, sobretudo, da cidade de São Paulo.

Leia também: Opinião: Negro na MITsp – Em Legítima Defesa ou Eu Não Vou me Calar, por Eugênio Lima

Pois é, uma Mostra Internacional que se propõe a pensar as relações raciais no mundo não contém em sua programação um grupo brasileiro que se dedica política e esteticamente acerca desses conteúdos.

Só eu senti-sinto a ausência de grupos que têm esse alicerce de pesquisa poética continuada na programação desta Mostra?

Poderíamos ter, para citar apenas os mais óbvios devido a quase completa invisibilidade e invisibilização imposta pelos curadores e críticos (com algumas raras e competentes exceções) desse tipo de evento: Bando de Teatro Olodum – grupo com mais de 20 anos de investigação, Cia dos Comuns – 15 anos, Cia Os Crespos – 11 anos.

Aí alguns dirão: “Olha, o grupo do Zé Fernando, diretor negro, está na programação”. Sim, está e é uma produção que trata pontualmente de uma questão que envolve os negros. Não é uma pesquisa de um grupo que vem se dedicando a isso por anos… É bem diferente, entende?! É a necessidade épica de dar conta dos assuntos políticos do momento.

Por que será?!

Esses grupos de pesquisa poética continuada mencionados acima não possuem nenhum trabalho inédito que poderia ser feito na Mostra? Não poderiam ter sido convidados a produzir algo?

Os próprios artistas negros que performaram não podiam ter produzido algo e de fato integrado a programação oficial da Mostra?

Enfim, mas, que bom que a Mostra cedeu espaço e condições materiais para que a performance autorizada pudesse ocorrer, por alguns minutos, ao final da apresentação da programação oficial da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo.

Estamos avançando, estamos presentes, porque nos autorizaram e nos apoiaram, no corredor do fim de uma apresentação alheia. Com mais alguns passos e alguns cem anos, quem sabe chegaremos ao palco principal. Será que nos autorizarão e nos cederão apoio técnico? E um cachê?

E fazer parte da curadoria, ao menos, quando formos nós e nossas histórias o tema? Será mesmo que continuarão nos colocando como coro-negro da nossa própria história enquanto corifeus-brancos pisam nos palcos limpos por mãos femininas e negras?

E cachê, quando teremos?

Calma, aí já é pedir muito.

Cachê é privilégio, e privilégio nesse país, nas ruas e/ou nos palcos, é algo quase intocável… Precisam primeiro nos autorizar e nos apoiar.

Obs: Não sou, de forma alguma, e espero que isso esteja claro, sem nenhum trocadilho, contra a Mostra. Penso que já havia passado da hora da cidade ter algo desse porte. Só precisamos rever, de fato, nossos mecanismos de legitimação e visibilização das investigações nacionais que debruçam-se sobre a questão racial. E digo isso em legítima defesa…

Atores negros durante o protesto na MITsp, na última sexta (4), no Centro Cultural São Paulo - Foto: Miguel Arcanjo Prado

Atores negros durante o protesto na MITsp, na última sexta (4), no Centro Cultural São Paulo – Foto: Miguel Arcanjo Prado

Leia mais sobre a MITsp

Salloma Salomão: “Migalhas das elites brancas”

Curta nossa página no Facebook e siga o site!

Fique por dentro do que está rolando nas artes

 

 

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. março 11, 2016

    […] Leia também: Opinião: Negro na MITsp – Sobre o privilégio de ceder o puxadinho, por Jé Olivei… […]

  2. março 11, 2016

    […] expoentes da comunidade negra nas artes fizeram artigos neste site com opiniões divergentes. Jé Oliveira, do Coletivo Negro, escreveu primeiro. Depois, Eugênio Lima, que dirigiu a performance-política Em Legítima Defesa, respondeu. Vale a […]

  3. março 12, 2016

    […] o dramaturgo, ator e diretor Jé Oliveira, do Coletivo Negro, se posicionou sobre o tema em artigo publicado neste site. Ao que logo foi […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *