Dois ou Um com Marcos Damigo

Marcos Damigo em As Sombras de Dom Casmurro - Foto: Matheus Heck e Dave Santos/Divulgação

Marcos Damigo em As Sombras de Dom Casmurro – Foto: Matheus Heck e Dave Santos/Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O ator Marcos Damigo está no solo As Sombras de Dom Casmurro, em cartaz no Teatro da Livraria da Vila do Shopping JK Iguatemi, em São Paulo, até 29 de maio. Inspirada na obra clássica de Machado de Assis, a peça tem direção de Débora Dubois, figurino de Alexandre Herchcovich e trilha de Gustavo Kurlat. As sessões são sábado, 20h, e domingo, 18h, com entrada a R$ 60. O ator aceitou o convite para participar da coluna Dois ou Um. Dez perguntas cheias de possibilidades. Ou não.

Bento ou Escobar?
Eu sou muito mais Bento que Escobar. Aliás, somos todos Bento em alguma medida. Não à toa, Machado escolhe como protagonista o tipo mais caro ao imaginário brasileiro, o do sujeito sentimentalista. Adoramos dizer que o brasileiro é puro coração! Mas o autor nos trai: se os primeiros ataques de ciúme de Bentinho nos parecem até engraçadinhos, o final da história é um espelho terrível de nós mesmos…

Machado de Assis ou José de Alencar?
Com todo o respeito ao autor de O Guarani, sou mais o Machadão, como passei a chamá-lo carinhosamente depois que nos aproximamos mais. Se ele não fosse brazuca, certamente estaria figurando entre os grandes nomes da literatura ocidental, e não sou eu que digo isso, mas vários críticos literários importantes do mundo todo. Machado inventou procedimentos que eram modernos inclusive pra sua época, e que até hoje ludibriam o leitor mais desavisado.

Golpe ou democracia?
Democracia, ainda que frágil, ainda que tênue, ainda que muito incapaz, ainda, de admitir a diversidade de credos, de medos, de pseudo-opiniões.

Eleito ou interino?
Esse interino não vai durar. Ele não tem competência pra articular o mínimo de coesão em torno de suas propostas. A cada frase sua, a cada ato, se escancara mais e mais seu despreparo para dialogar com a sociedade. E a sociedade não admite mais que se governe na marra, no berro, sem atenção à sua pluralidade.

Ministério da Cultura ou Ministério da Defesa?
Quanto mais Cultura, menos Defesa. (E vice-versa). Qual você prefere?

Amor ou traição?
A traição, na Divina Comédia de Dante, é o pior dos pecados, punida com o viver eternamente mergulhado num lago congelado. Mas quem traiu quem na obra de Machado? Capitu traiu Bentinho, dormindo com seu melhor amigo, ou Bentinho traiu Capitu, quebrando a jura de fidelidade feita na infância? Um dos dois deve estar lá no lago congelado de Dante…

Frio ou calor?
Quando está frio, calor. Quando está calor, frio. (O eterno insatisfeito!)

Açúcar ou adoçante?
Nenhum dos dois. De doce, já basta a vida! (Quem dera…)

Parque ou praia?
Parque na praia, pode? Um banho de rio, outro de mar, isso sim é o paraíso…

Uma banda de maçã ou outra banda de reggae?
Vindo de Gilberto Gil, todas as bandas! Tristíssimo e altamente simbólico o fato de terem apagado o grafite com sua imagem na Cinelândia, no Rio, no mesmo dia em que o interino extingue o Ministério da Cultura…

Leia outras edições da coluna Dois ou Um

Visite o Blog do Arcanjo no UOL!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Concordo com Damigo quando ele escolhe a democracia. É por causa disso – defesa da democracia – que apoio o governo do presidente atual. A Constituição foi respeitada e o afastamento se deu dentro dos rigores da lei, algo absolutamente legítimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *