Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Tadashi Endo: homenagem no Cena Brasil Internacional, que começa dia 31 no Rio – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Encontro marcado
O festival Cena Brasil Internacional tem sua sexta edição programada para o período de 31 de maio a 11 de junho, no Centro Cultural Banco do Brasil e na Praça dos Correios, no Rio de Janeiro, com patrocínio do Banco do Brasil. Pode avisar os cariocas do Face.

Diversidade
Com espetáculos de teatro e dança, a mostra apresenta dez atrações no total, sendo de quatro companhias brasileiras e quatro estrangeiras, de três países: Alemanha, Itália e Japão. Com peças a preços populares (R$ 20 e R$ 10) e gratuitas, a programação internacional conta com legendas eletrônicas em português. Acessibilidade é tudo.

Gringos
Entre as atrações internacionais, o festival apresenta dois espetáculos de duas autoras e diretoras italianas inéditas no Brasil: Claudia Castellucci (dança) e Lucia Calamaro (teatro). E também traz uma peça da autora feminista alemã Sibylle Berg, que escreveu uma obra sobre o feminismo jovem para o The Maxim Gorki Theatre – um dos grupos mais politizados da Alemanha. Empoderada.

Butô
Tadashi Endo, mestre do butô, ganha uma homenagem por seus 70 anos de vida que completa em 2017 e 15 anos de parceria com o Brasil, onde ele já apresentou diversas vezes. Ele apresenta três solos no festival, sendo um inédito no país: Maboroshi.

Tupiniquins
Entre as companhias brasileiras, o grupo Espanca! apresenta Real, seu trabalho mais recente. O festival programou duas estreias nacionais: O Abacaxi, com texto da atriz Veronica Debom, que divide cena com o ator Felipe Rocha. A direção é de Debora Lamm e Fabiano de Freitas. A outra estreia será Mortos-Vivos: Processo Para Uma Ex-Conferência, a nova criação do grupo Foguetes Maravilha. Só coisa boa.

Luciana Lyra – Foto: Morgana Narjara

Senta, que lá vem a história
A atriz, diretora, dramaturga e escritora Luciana Lyra lançou há alguns anos o livro “De como meninas guerreiras contaram heroínas”. A obra fala sobre as mulheres de Tejucupapo, vilarejo da Zona da Mata Pernambucana, e como elas guerrearam contra os holandeses. O livro se transformou em projeto maior: Luciana resolveu distribuir alguns exemplares em bibliotecas públicas do interior de São Paulo para que essa história fique mais conhecida.

Andança
A partir do próximo dia 31 de maio, ela percorre o interior paulista com o projeto Meninas Guerreiras na Rota das Bandeiras, que tem contação, oficinas e bate-papo. Além disso, a peça que Luciana dirige, Quarança, d’A Próxima Cia, encerra sua circulação pela periferia de São Paulo com uma apresentação no dia 30 de maio, na Casa no Meio do Mundo. Dica dada.

0800
Neste sábado o Teatro de Contêiner Mungunzá, na Luz, recebe o Festival Afro Music, com entrada grátis, entre meio-dia e 19h. Na programação, o melhor da música negra paulistana contemporânea. Vai, gente.

Quem É a Rainha? – Foto: Alexandre Marchesini

Deus salve a rainha
As atrizes Milena Filó e Jackeline Stefanski fizeram uma intervenção-performance na Virada Cultural no último domingo. As atrizes circularam por diversos lugares com saia de tule e megafone fazendo discursos curtos, danças e movimentos coreografados em Quem É a Rainha?. A inspiração veio de sua alteza britânica, a Rainha Elizabeth.

Literatura no casarão
Para assistir ‘O Jogo do Amor e da Morte’, que estreia neste sábado (27), é necessário entrar no velho casarão da Rua Conselheiro Rodrigues Alves, 1239, em São Paulo. A peça é encenada na antessala do espaço. A montagem busca inspiração em diversas obras literárias para contar a história de um homem (interpretado por Eliseu Paranhos – também autor e diretor) e de uma mulher (interpretado por Juliana Fagundes). Quer saber o que acontece com eles? Vai lá, ué.

Patricia Cipriano em Linda Blair Entra na Sala – Foto: Ester Gehlen

Mulher no casarão
Patricia Cipriano, a grande atriz de Curitiba, volta a encenar Linda Blair Entra na Sala na Casa Selvática, na capital paranaense, nesta sexta. Temporada de sexta a domingo, até 18 de junho. Merda. 

Tchau, Reality!
A temporada de Reality Is Back acaba neste domingo (28) no Teatro Alfredo Mesquita, em Santana. O espetáculo mostra um reality show de doentes terminais. Ganha quem morrer por último. O texto é de Michelle Ferreira. Ai, que pesado!

Acabou, mas tem mais
A dramaturga Michelle Ferreira engata logo em seguida na peça Marte, Você Está Aí?. Desta vez como atriz, ao lado de Selma Egrei e Jorge Emil. O texto é de Silvia Gomez, dramaturga queridíssima da coluna desde que o mundo é mundo, e a direção de Gabriel Fontes Paiva. A estreia será dia 9 de junho no Masp. Marque na agenda.

Marilice Cosenza está no musical Na Laje – Foto: Rodrigo Negrini

Inara, Inara, Inara, Inaraí…
A atriz Marilice Cosenza, nome tarimbado no mercado dos musicais e que já trabalhou com gente como Wolf Maya e Claudia Raia, entrou para o elenco do musical Na Laje. Dá vida à personagem Inara, da famosa letra do pagode dos anos 1990, tema da peça. O espetáculo revive o ápice da febre pagodeira no Teatro Viradalata. Arrasa, Marilice.

Dancin’Days
A turma das artes e da comunicação ganha nova festa em São Paulo: Shake Spears, a partir desta segunda-feira, dia 29 de maio, às 21h, no Espaço 555. A organização é de um grupo de quatro amigos: Marilice Cosenza,  Roberto Rodrigues, Daniel Cabral e Eduardo Prado. Na mesma noite será lançado o Portal Ego, dedicado ao mundo dos famosos. Boa sorte.

Maite Schneider em O Príncipe Desencantado – Foto: Caio Gallucci

Nova paulistana
Maite Schneider, a famosa atriz transexual paranaense, mudou há pouco tempo para São Paulo. E, danada, já está em duas peças na cidade. Ela protagoniza o musical infantil O Príncipe Desencantado, de Rodrigo Alfer, que estreia em 3 de junho no Viga Espaço Cênico. Ela integra o elenco que tem ainda Davi Novaes, Marcella Piccin, Manu Littiéry, Vanessa Rodrigues e Silvano Vieira. Para não fazer feio, tomou aulas com o maestro Ettore Rugiero.

Segundo plano
Além disso, Maitê, que não para quieta, já ensaia outro espetáculo, de com temática adulta e que promete abalar a capital paulista. Quem viver verá.

Diogo Pasquim, Carol Hubner, Haroldo Miklos e Juan Manuel Tellategui estão em Enquanto as Crianças Dormem: estreia dia 31 no Teatro Aliança Francesa – Foto: Leekyung Kim

Antimusical
Estreia no dia 31 de maio, no Teatro Aliança Francesa, a nova produção da Applauzo e Lugibi, o espetáculo Enquanto as Crianças Dormem, inaugurando o novo horário de peças no Teatro, às quartas e quintas, às 20h30. É um antimusical tragicômico, como define o autor e diretor, Dan Rosseto. Provocativo.

Fast food
Enquanto as Crianças Dormem, conta a história de Kelly (Carol Hubner) uma fã do musical O Mágico de Oz, que trabalha como atendente de uma rede de fast-food e sonha em imigrar para os Estados Unidos e se tornar uma atriz de musical na Broadway. Sonhar não custa nada, né?

Amigas e rivais
Num inusitado encontro no supermercado, Kelly vê uma possibilidade de transformar o seu sonho em realidade ao conhecer Ellen (Carolina Stofella), uma mulher disposta a financiar passagem, passaporte e dólares para bancar as suas despesas na América. Mas, qual será o preço a pagar? Tem de ver a peça para saber.

Turma completa
Além de Carol Hubner e Carolina Stofella, Enquanto as Crianças Dormem tem ainda no elenco os atores, Diogo Pasquim, Haroldo Miklos, João Sá, Juan Manuel Tellategui, Roque Greco e Samuel Carrasco. E ainda tem uma estrela nos bastidores: a peça tem trilha sonora original composta pelo cantor, ator e compositor Fred Silveira, um dos grandes nomes dos musicais e que protagoniza a superprodução Forever Young, no Teatro Raul Cortez.

Luna Martinelli e Laerte Késsimos em Unfaithful – Foto: Leekyung Kim

Unfaithful
O ator Laerte Késsimos, que não consegue parar quieto, é o idealizador da peça Unfaithful que faz quatro apresentações no Festival Cultural Inglesa – dias 8, 9, 10 e 11 de junho. Ele reuniu um time de peso: Noemi Marinho, Hélio Cícero e Luna Martinelli — atriz que a coluna acha uma das melhores de sua geração —, estão ao seu lado no elenco, dirigidos por Lavínia Pannunzio. O texto é do autor irlandês Owen McCfferty. Danado, esse Laerte.

Sotaques múltiplos
Menino Coragem, novo espetáculo da Cia Articularte que está comemorando 18 anos, foi livremente inspirada em histórias de vida de imigrantes, exilados, refugiados e suas crianças. Anote aí: a peça estreia dia 3 de junho, às 16h, no Teatro Cacilda Becker. Porque os pequeninos precisam aprender que o mundo é diverso.

Juliana Rolim, Teca Pereira e Fernanda Montenegro nos bastidores de O Que Terá Acontecido a Baby Jane?, no Theatro NET Rio – Foto: Arquivo pessoal

Visita ilustre
Teca Pereira, a grande atriz, ficou toda feliz outro dia, nos bastidores de O Que Terá Acontecido a Baby Jane?, no Rio. É que Fernanda Montenegro apareceu na plateia. E depois foi cumprimentar o elenco, que conta ainda com Eva Wilma e Nathalia Timberg. Poder.

Aquela chance
A peça Hotel Mariana, inspirada na tragédia ambiental em Minas de 2015, é de graça às segundas, às 20h, na Estação Satyros, na praça Roosevelt. Vai até 10 de julho.

1001 utilidades
O diretor Nelson Baskerville estreia A Vida, sua nova peça com a AntiKatártiKa Teatral, no Sesc Santo Amaro em 2 de junho. O espetáculo possui formato caleidoscópico de dramaturgia, com enfoque nas tragédias pessoais e cotidianas do elenco e do diretor. A peça é dividida em 8 fases, 15 cenas por noite (contando com as transições fixas), mais de 1.000 combinações possíveis, garantindo ao público um espetáculo único a cada. Entendeu?

Cena da peça Inexistência – Foto: Rodrigo Palmieri

Internacional
Quatro mulheres estão num lugar desconhecido. Elas não se conhece e não fazem ideia de como foram parar ali. Este é o começo da peça Inexistência, que estreia dia 2 de junho, sexta-feira, às 20h, no CEU Inácio Monteiro, com entrada gratuita. A obra é fruto do intercâmbio de dois grupos, Refinaria Teatral (Brasil) e Perspectiva Escénica (México).

Tem mais
As outras apresentações serão no dia 3 de junho, sábado, uma às 17h e outra às 20h, na Refinaria Teatral, e no dia 4 de junho, domingo, às 18h, no Galpão do Folias, com ingressos a R$ 20,00 e meia-entrada. O texto, direção e encenação é de Daniel Alves Brasil e o elenco brasileiro é formado por Ana Szcypula, Renan Lemos e Luiza Martins e pelos mexicanos Alejandra Zavala, Javier Rodriguez e Paola Vidal. Turma boa reunida.

Canto das Mulheres – Foto: Divulgação

Peça feminista
Sucesso em temporadas passadas, a peça O Canto das Mulheres do Asfalto, com direção de Georgette Fadel, tem quatro novas apresentações gratuitas no Sesc Ipiranga, entre 25 de maio e 22 de junho. Com dramaturgia de Carlos Canhameiro, o espetáculo retrata um mundo em que as mulheres se recusam a dar à luz, a partir de uma série de cantos que narram a falta de esperança delas em relação ao futuro e sua decisão de acabar com a humanidade. Interessante.

Trechinho
A coluna descolou um trecho da obra. Olha só: “Não vou lançar mão de subterfúgios. Ela não vai me perguntar alguma coisa para que eu explique o porquê de tudo, o porquê de nada, o porquê é assim e não foi assado. Foi-se o tempo das perguntas. As respostas prostituíram a esperança e o sol de cada dia embaçou nossas vistas. Nossa lida deixou de ser vida. Nosso corpo é máquina imperfeita, eliminada sem piedade. Há mais vida nesse prédio do que em todas nós aqui reunidas. Esse canto é um lamento”.

Wilson de Santos é o primeiro homem a interpretar Brincando em Cima Daquilo no mundo – Foto: Mário Fontes

Inédito
Pela primeira vez na história do teatro mundial um homem interpretará o texto Brincando em Cima Daquilo, de Dario Fo, já defendido nos palcos brasileiros com propriedade por Marília Pêra. O felizardo é o talentoso Wilson de Santos. Ele estreia dia 3 de junho, no Teatro Renaissance, sob direção de Marcelo Medici. Arrasou.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *